a RDC Anvisa número 306/2004 e a resolução CONAMA 358/2005 são definidos como geradores de Resíduos de Serviços de Saúde RSS, todos os serviços relacionados com o atendimento a saúde humana ou animal, inclusive os serviços de assistência domiciliar e de campo; laboratórios analíticos de produtos para saúde; produtores de materiais e controles para diagnósticos in vitro; unidades móveis de atendimento à saúde.

Resíduos de Serviços de Saúde (RSS)

Trabalhamos com consultoria, transporte e execução para o serviço de Resíduos de Serviços de Saúde (RSS)

Benefícios da Classificação, Tratamento e Destinação Final dos Resíduos de Serviços de Saúde – RSS

A Nova Ambiental considera que o benefício da classificação dos resíduos de serviços de saúde RSS, está em possibilitar a correta manipulação, por parte dos geradores, sem oferecer riscos aos trabalhadores, à saúde coletiva e ao meio ambiente.

De acordo com a RDC Anvisa número 222/2018 e a resolução CONAMA 358/2005 são definidos como geradores de resíduos de serviços de saúde rss, todos os serviços relacionados com o atendimento a saúde humana ou animal, inclusive os serviços de assistência domiciliar e de campo; laboratórios analíticos de produtos para saúde; produtores de materiais e controles para diagnósticos in vitro; unidades móveis de atendimento à saúde.

A classificação Anvisa RDC 222/2018 subdividi-se em cinco grupos:

Grupo A – Resíduos com a possível presença de agentes biológicos que, por suas características de maior virulência ou concentração, podem apresentar risco de infecção.

Grupo B – Resíduos contendo substâncias químicas que podem apresentar risco à saúde pública ou ao meio ambiente, dependendo de suas características com inflamabilidade, corrosividade, reatividade e a toxicidade.

Grupo C – Quaisquer materiais resultante de atividades humanas que contenham radionuclídeos em quantidades superiores aos limites de eliminação especificados nas normas da comissão nacional de energia nuclear CNEN.

Grupo D – Resíduos que não apresentem risco biológico, químico ou radiológico à saúde ou ao meio ambiente, podendo ser equiparados aos resíduos domiciliares.

Grupo E – Materiais perfurocortantes ou escarificantes, tais como: lâminas de barbear, agulhas, escalpes, ampolas de vidro, brocas, limas endodônticas, pontas diamantadas, lâminas de bisturi, lancetas; tubos capilares; micropipetas; lâminas e lamínulas; espátulas; e todos os utensílios de vidros quebrados no laboratório e outros similares.

Autoclaves para Esterilização de Resíduos de Serviços Hospitalares.

O processo de esterilização dos Resíduos dos Serviços de Saúde RSS ou Lixo Hospitalar, mais recomendado, é o tratamento a pressão/Vácuo com aplicação de alta temperatura com vapor saturado em um circuito rigorosamente protegido e monitorado.

Características Técnicas do tratamento de resíduos de serviços de saúde RSS

  • Construção com base em Normas de Vasos de Pressão: Código ASME e NR-13;
  • Moto bomba de Vácuo;
  • Filtro esterilizador de líquidos e Ar;
  • Painel de Acionamento com Impressora;
  • Conjunto de Válvulas e Tubulações;
  • Cestos e Trilhos para movimentação;
  • Prontuário de Vaso de Pressão, Certificados e Manual.

Tratamento de resíduos de serviços de saúde

São muitas as tecnologias para tratamento de resíduos de serviços de saúde rss.  Até pouco tempo, a disputa no mercado de tratamento de resíduos de serviços de saúde era entre a incineração e a autoclavagem, já que, em muitos países, a disposição em valas sépticas não é aceita.

Recentemente, com os avanços da pesquisa no campo ambiental e a maior conscientização das pessoas, os riscos de poluição atmosférica advindos do processo de incineração fizeram com que este processo tivesse sérias restrições técnicas e econômicas de aplicação, devido à exigência de tratamentos muito caros para os gases e efluentes líquidos gerados, acarretando uma sensível perda na sua parcela de mercado.

Existem muitas opções para o tratamento e eliminação de resíduos médicos. Alguns funcionam melhor em grandes instalações apropriadas para grandes hospitais ou instalações centralizadas, e outras são melhores para países de baixa a média renda, pequenas instalações e recursos restritos.

O primeiro passo em qualquer gestão de resíduos é minimizar o desperdício e garantir que ele seja devidamente segregado na fonte. Se os resíduos em geral forem misturados com quaisquer resíduos infecciosos ou perigosos não podem ser segregados e todos devem então ser tratados como se fossem infecciosos ou perigosos.

Resíduos infectantes: este é o fluxo de resíduos que atrai mais atenção e para o qual há mais opções de tratamento.

Resíduos de materiais cortantes: O potencial para que as agulhas de seringa e outros desperdícios de agulhas para espalhar o HIV e a hepatite levantem preocupações reais. Em alguns países, os vendedores de pano os procuram e eles são ilegalmente reembalados para venda.

Resíduos farmacêuticos: Os hospitais devem procurar negociar acordos de retoma com os seus fornecedores para produtos farmacêuticos não utilizados e / ou vencidos. Caso contrário, existem várias maneiras de neutralizar ou conter os resíduos farmacêuticos.

Resíduos radioativos: nem todas as instalações produzem resíduos radioativos, mas podem resultar do tratamento (por exemplo, marcadores radioativos) ou estar presentes no equipamento de diagnóstico e analítico.

Resíduos patológicos e anatômicos: Tecidos humanos, sangue, placenta – este desperdício pode ser difícil de manusear e sensível, particularmente para qualquer coisa reconhecidamente humana. No entanto, várias opções diferentes estão disponíveis para diferentes situações.

Resíduos biodegradáveis: Até 25 por cento dos resíduos de uma instalação de cuidados de saúde podem ser sucatas de cozinha e comida. Estes podem ser compostados ou biodigestados para produzir compostagem e biogás, um combustível renovável.

Resíduos recicláveis: Papel, plástico, metal e vidro são os materiais mais reciclados. A segregação, a reutilização e a reciclagem desses resíduos podem fazer uma diferença significativa na economia da operação de eliminação de resíduos da instalação.

Segurança

A segurança e a aceitabilidade de muitas práticas de gestão de resíduos sólidos largamente utilizadas constituem uma preocupação grave do ponto de vista da saúde pública.

Essa preocupação decorre tanto da desconfiança das políticas e soluções propostas por todos os níveis de governo para a gestão de resíduos sólidos como da percepção de que muitas instalações de gestão de resíduos sólidos utilizam procedimentos operacionais deficientes.

A prática de gestão de resíduos que actualmente abrange a eliminação, tratamento, redução, reciclagem, segregação e modificação tem desenvolvido nos últimos 150 anos.

Antes disso e em numerosas situações mais recentes, todos os resíduos produzidos eram manipulados pelos seus produtores utilizando métodos simples de eliminação, incluindo o dumping terrestre, as águas doces e marinhas e as queimadas descontroladas. Apesar da crescente industrialização e urbanização, o despejo de resíduos sólidos, particularmente em aterros, continua a ser um meio proeminente de eliminação e tratamento implícito.

Ocorreram importantes desenvolvimentos no que diz respeito à tecnologia de aterro e no controlo legislativo das categorias de resíduos que podem ser sujeitos a deposição em aterro. Mesmo assim, muitos aterros permanecem primitivos em sua operação.

As tecnologias de tratamento alternativas para a gestão de resíduos sólidos incluem incineração com recuperação de calor e limpeza de gases residuais e compostagem acelerada, mas ambas são sujeitas a críticas por ambientalistas devido a possíveis emissões perigosas, à não eliminação de agentes patogénicos ou à incapacidade de imobilizar pesados Metais ou pelos operadores de aterros e empreiteiros com base na economia de gestão de resíduos, enquanto questões-chave sobre os efeitos das várias práticas sobre saúde pública e segurança ambiental permanecem sem resposta

Efeitos

Os efeitos prováveis e relativos da segurança pública e da segurança ambiental da tradição e das modernas tecnologias de aterro serão avaliados em relação às tecnologias de tratamento alternativas propostas.

Com extremo zêlo, profissionalismo, seriedade e competência, a Nova Ambiental conta com soluções sustentáveis.

Coprocessamento de Resíduos industriais é a etapa em que o resíduo é totalmente descaracterizado e misturado junto a outros resíduos com alto poder calorífero (blend)

Coprocessamento de Resíduos

Etapa em que o resíduo é totalmente descaracterizado e misturado junto a outros resíduos com alto poder calorífero (blend)

Resíduos de Serviços de Saúde (RSS). Realizamos a correta classificação dos resíduos de serviços de saúde RSS, possibilitando a correta manipulação.

Resíduos de Serviços de Saúde (RSS)

Realizamos a correta classificação dos resíduos de serviços de saúde RSS, possibilitando a correta manipulação.

Descaracterização de Resíduos. Realizamos a descaracterização de resíduos anulando os riscos de reutilização de qualquer produto e embalagens.

Descaracterização de Resíduos

Realizamos a descaracterização de resíduos anulando os riscos de reutilização de qualquer produto e embalagens.

Transporte de Resíduos Perigosos com veículos próprios assegurados, rastreados e operando dentro das normas legais ambientais e de trânsito para execução dos serviço de Tratamento de Resíduos

Transporte de Resíduos Perigosos

Veículos próprios assegurados, rastreados e operando dentro das normas legais ambientais e de trânsito para execução dos serviço de Tratamento de Resíduos

Incineração de Resíduos. Possuímos um perfeito processo de tratamento de resíduos que envolve a combustão de substâncias orgânicas.

Incineração de Resíduos

Possuímos um perfeito processo de tratamento de resíduos que envolve a combustão de substâncias orgânicas.

Realizamos um minucioso diagnóstico da contaminação, disponibilizamos diversas técnicas de remediações.

Remediação Para Áreas Contaminadas

Remediação Para Áreas Contaminadas. Realizamos um minucioso diagnóstico da contaminação, disponibilizamos diversas técnicas de remediações.)

Contamos com licença da CETESB para Armazenamento Temporário de Resíduos Perigosos e não perigosos

Armazenamento Temporário

Contamos 10.000m² licenciada pela CETESB para Armazenamento Temporário de Resíduos Perigosos e não perigosos

Manufatura Reversa de Eletrônicos Reutilização e o reprocessamento de equipamentos elétricos e eletrônicos descartados ou considerados obsoletos

Manufatura Reversa de Eletrônicos

Reutilização e o reprocessamento de equipamentos elétricos e eletrônicos descartados ou considerados obsoletos

As Boas Práticas Ambientais Das Empresas ESG

As Boas Práticas Ambientais Das Empresas ESG

Pois bem, cada vez mais valorizado no ambiente dos negócios, pode-se dizer que o termo ESG (uma sigla em inglês) é uma espécie de credencial ética que sinaliza as boas práticas ambientais, sociais e de governança de uma empresa. Mais do que isso, o conceito ESG também...

síntese
Resíduos de Serviços de Saúde (RSS)
Nome do Artigo
Resíduos de Serviços de Saúde (RSS)
Descrição
a RDC Anvisa número 222/20184 e a resolução CONAMA 358/2005 são definidos como geradores de Resíduos de Serviços de Saúde RSS, todos os serviços relacionados com o atendimento a saúde humana ou animal, inclusive os serviços de assistência domiciliar e de campo; laboratórios analíticos de produtos para saúde; produtores de materiais e controles para diagnósticos in vitro; unidades móveis de atendimento à saúde.
Autor
Empresa
Sistema Nova Ambiental
Marca