Coprocessamento: Alternativa Sustentável em Foco

Certificado de Destinação Final de Resíduos (CDF) é o documento comprobatório de que aquela determinada quantidade de resíduo foi devidamente tratada ao final de todo o ciclo. É emitido pelo agente “destinador” (empresa responsável pela disposição final do resíduo)

A valorização dos resíduos sólidos urbanos (RSU) é frequentemente apontada, por pesquisadores e ambientalistas, como uma das práticas indispensáveis para a garantia da proteção ambiental e climática.

Com base nesta visão ambiental que, diga-se de passagem, atende aos princípios de sustentabilidade estabelecidos pela Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), o coprocessamento se apresenta como uma importante tecnologia para combater o acúmulo do enorme volume de lixo urbano gerado no país.

Dessa forma, o coprocessamento – método de tratamento já empregado de maneira eficaz na gestão de resíduos/sobras industriais – também pode contribuir decisivamente com a erradicação dos lixões no Brasil e, consequentemente, fomentar o desenvolvimento de uma economia circular.

Coprocessamento: Solução Sustentável em Debate

As discussões em torno da propagação e dos benefícios gerados pelo coprocessamento já estão na pauta da iniciativa privada, do setor público e da sociedade civil.

Uma dessas iniciativas recentes foi a realização da webinar “Destinação Sustentável para os Resíduos Sólidos Urbanos – Tecnologia de Coprocessamento”.

Esse encontro virtual foi promovido pela Associação Brasileira de Cimento Portland (ABCP). Além da participação de especialistas ambientais, a webinar contou com a presença de representantes de consórcios intermunicipais do Estado de Minas Gerais – que concorrem ao crédito de R$ 100 milhões que serão distribuídos pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA).

Essa verba disputada pelos consórcios mineiros está prevista no edital do programa federal Lixão Zero, do MMA, e será destinada a projetos voltados para o aperfeiçoamento do gerenciamento de resíduos sólidos urbanos (RSU) em cidades de Minas Gerais.

Basicamente, os consórcios terão a missão de operar usinas de triagem e de erradicar os nocivos lixões remanescentes nas cidades beneficiadas pelo edital.

Espera-se que uma parte do dinheiro seja aplicado na construção de usinas de coprocessamento de Combustível Derivado de Resíduos Sólidos Urbanos (CDRU).

O plano é que os resíduos sólidos urbanos e industriais das cidades mineiras sejam encaminhados a essas unidades para a geração do CDRU, matéria-prima secundária de grande valia para as empresas fabricantes de cimento.

Isso porque o CDRU – subproduto que é resultante da mistura de diferentes tipos de resíduos sólidos triturados e misturados – é uma fonte de energia alternativa que substitui os combustíveis fósseis. Sua principal utilização é na produção de clínquer em fornos das indústrias cimenteiras.

Desta forma, o coprocessamento permite o reaproveitamento energético de resíduos urbanos e industriais, proporcionando a economia de matéria-prima, de recursos naturais e a diminuição da emissão de gases de efeito estufa (GEE), que ocorre nos aterros sanitários.

Ou seja, o método de coprocessamento é uma ferramenta que pode colaborar, e muito, com o aprimoramento da gestão e tratamento dos resíduos sólidos urbanos (RSU) no Brasil.

Coprocessamento de Resíduos Industriais

Coprocessamento de Resíduos, na etapa de blendagem, o resíduo é totalmente descaracterizado e misturado de forma a produzir um mix de resíduos com alto poder calorífico que será utilizado nas cimenteiras substituindo matéria prima, minimizando assim a utilização de recursos naturais, a geração de passivos ambientais e aproveitando o potencial energético mineral do material.

Coprocessamento de Resíduos, na etapa de blendagem, o resíduo é totalmente descaracterizado e misturado de forma a produzir um mix de resíduos com alto poder calorífico que será utilizado nas cimenteiras substituindo matéria prima, minimizando assim a utilização de recursos naturais, a geração de passivos ambientais e aproveitando o potencial energético mineral do material.

No universo empresarial, o coprocessamento já é uma tecnologia bastante utilizada por companhias geradoras de grandes volumes de resíduos e sobras industriais.

O coprocessamento de resíduos industriais é um serviço profissional que atende os princípios da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) e que é rigorosamente realizado dentro de normas técnicas e de segurança.

Explicando melhor, o coprocessamento é um método mecânico de tratamento de resíduos industriais que envolve a trituração e a mistura de materiais/sobras como, por exemplo, pneus e produtos emborrachados, catalisadores, lodos provenientes de Estações de Tratamento de Efluentes Industriais (ETEI), borras ácidas, oleosas e graxas, entre outros.

O resultado dessa mistura – denominado blend ou Combustível Derivado de Resíduos Industriais (CDRi) – é um subproduto de alto poder calorífico que, a exemplo do CDRU, também alimenta fornos rotativos para a obtenção do clínquer, que é a principal matéria-prima para a fabricação do cimento.

7 Benefícios da ‘Blendagem

O coprocessamento se mostra como um eficiente e vantajoso método de tratamento de resíduos industriais.

Entre seus principais benefícios podemos citar:

  • a economia de recursos naturais
  • a recuperação energética
  • completa destruição térmica dos resíduos
  • minimização de impactos ambientais
  • liberação de espaços antes utilizados como depósito de resíduos/sobras
  • redução do volume de resíduos nos aterros sanitários e consequente queda na emissão de gases de efeito estufa (GEE)
  • conformidade com a PNRS e normas técnicas vigentes (segurança jurídica)

Multitecnologia em coprocessamento e tratamento de resíduos

A Nova Ambiental – empresa de multitecnologia na área de gestão de resíduos – é especializada e devidamente habilitada para a realização de uma ampla gama de serviços ambientais.

Nosso portfólio inclui soluções/serviços de:

Há duas décadas, a Nova Ambiental é uma referência no segmento de tratamento e destinação final de resíduos industriais, com capacidade para atender demandas de empresas de diversos setores produtivos.

Consulte a Nova Ambiental

Telefone – (11) 4144-4655

WhatsApp – (11) 96476-2080

SAC – (11) 4205-8454

YouTube – https://www.youtube.com/channel/UCZ5pxYypf4mWI8PfNLCliqA

Facebook – www.facebook.com/NovaAmbiental/

Instagram – https://www.instagram.com/novaambiental/

síntese
Coprocessamento: Alternativa Sustentável em Foco
Nome do Artigo
Coprocessamento: Alternativa Sustentável em Foco
Descrição
O coprocessamento se mostra como um eficiente e vantajoso método de tratamento de resíduos industriais. Podemos citar: economia de recursos naturais, recuperação energética, completa destruição térmica dos resíduos, minimização de impactos ambientais, entre outros.
Autor
Empresa
Sistema Nova Ambiental
Marca

Com extremo zêlo, profissionalismo, seriedade e competência, a Nova Ambiental conta com soluções sustentáveis.

Coprocessamento de Resíduos industriais é a etapa em que o resíduo é totalmente descaracterizado e misturado junto a outros resíduos com alto poder calorífero (blend)

Coprocessamento de Resíduos

Etapa em que o resíduo é totalmente descaracterizado e misturado junto a outros resíduos com alto poder calorífero (blend)

Resíduos de Serviços de Saúde (RSS). Realizamos a correta classificação dos resíduos de serviços de saúde RSS, possibilitando a correta manipulação.

Resíduos de Serviços de Saúde (RSS)

Realizamos a correta classificação dos resíduos de serviços de saúde RSS, possibilitando a correta manipulação.

Descaracterização de Resíduos. Realizamos a descaracterização de resíduos anulando os riscos de reutilização de qualquer produto e embalagens.

Descaracterização de Resíduos

Realizamos a descaracterização de resíduos anulando os riscos de reutilização de qualquer produto e embalagens.

Transporte de Resíduos Perigosos com veículos próprios assegurados, rastreados e operando dentro das normas legais ambientais e de trânsito para execução dos serviço de Tratamento de Resíduos

Transporte de Resíduos Perigosos

Veículos próprios assegurados, rastreados e operando dentro das normas legais ambientais e de trânsito para execução dos serviço de Tratamento de Resíduos

Logística Reversa Para Aerossol</a></h2> <p>Descaracterização de embalagens, manufatura reversa.  Infraestrutura moderna e tecnologia para o tratamento e destinação final de embalagens pós-consumo de aerossóis.

Logística Reversa Para Aerossol

Descaracterização de embalagens, manufatura reversa. Infraestrutura e tecnologia para tratamento e destinação final de embalagens pós-consumo de aerossóis.

Incineração de Resíduos. Possuímos um perfeito processo de tratamento de resíduos que envolve a combustão de substâncias orgânicas.

Incineração de Resíduos

Possuímos um perfeito processo de tratamento de resíduos que envolve a combustão de substâncias orgânicas.

Remediação Ambiental, Remoção de Solo Contaminado e Tratamento

Remediação Ambiental e Solo Contaminado

Remediação Para Áreas Contaminadas. Realizamos um minucioso diagnóstico da contaminação. Multitecnologia para no tratamento de solo contaminado.

Contamos com licença da CETESB para Armazenamento Temporário de Resíduos Perigosos e não perigosos

Armazenamento Temporário

Contamos 10.000m² licenciada pela CETESB para Armazenamento Temporário de Resíduos Perigosos e não perigosos

Manufatura Reversa de Eletrônicos Reutilização e o reprocessamento de equipamentos elétricos e eletrônicos descartados ou considerados obsoletos

Manufatura Reversa de Eletrônicos

Reutilização e o reprocessamento de equipamentos elétricos e eletrônicos descartados ou considerados obsoletos

Retorno Fiscal e Dedutibilidade Fiscal  de Produtos Inservíveis e serviços integrados de destinação final de produtos e/ou materiais inservíveis e assessoria fiscal, tributária e ambiental.

Retorno Fiscal de Produtos Inservíveis

Dedutibilidade Fiscal e serviços integrados de destinação final de produtos e/ou materiais inservíveis e assessoria fiscal, tributária e ambiental.

Decisão Judicial Favorável aos Associados FIESP/CIESP Contra Aumento de Impostos/Licenças Ambientais e CADRI

Decisão Judicial Favorável aos Associados FIESP/CIESP Contra Aumento de Impostos/Licença Ambientais e CADRI. Publicado em 04.10.2019, o Decreto Estadual nº 64.512/2019 estabelece novo procedimento de cálculo no Licenciamento Ambiental, trazendo modificações nas fórmulas de cálculo dos preços praticados pela Cetesb para preços de expedição de licenças ambientais e pareceres técnicos afetos ao recebimento de resíduos de interesse e Certificados de movimentação de resíduos de interesse ambiental – CADRI (individual e coletivo), sobre avaliação de Plano de Desativação ou Desmobilização e sobre regularização de parcelamento do solo para fins habitacionais e núcleos habitacionais.