Coprocessamento: Transformando Resíduos em Energia

Coprocessamento: Transformando Resíduos em Energia

Um dos grandes propulsores da economia brasileira, o setor da construção civil experimentou um crescimento histórico nas últimas duas décadas. Transformou radicalmente a paisagem urbana e arquitetônica de nossas cidades, com empreendimentos de infraestrutura e habitação, gerou renda e empregos a milhares de trabalhadores nas suas mais diversas frentes – desde os canteiros de obras, construtoras, empreiteiras, incorporadoras, passando pelas lojas de material de construção até chegar às imobiliárias, em sua missão e venda e locação de imóveis. Enfim, fomentou toda uma cadeia produtiva que gira em torno da produção e oferta de um essencial insumo desenvolvimentista: o cimento.

O que pouca gente sabe é que, a partir da década de 90, uma parte razoável desse cimento que alicerçou o desenvolvimento recente do Brasil foi produzida a partir da queima de resíduos coprocessados, em substituição aos combustíveis fósseis – que até então eram a única fonte de energia que alimentava fornos, fornalhas e caldeiras utilizadas na fabricação do cimento.

Basicamente, o coprocessamento é a transformação de material residual gerado por diferentes fontes industriais em um composto – o denominado ‘blend’ – que, posteriormente, vai abastecer os fornos das companhias cimenteiras. Em temperaturas que chegam até 1.450 graus Celsius, este mix é empregado na queima de argila e calcário. E a partir deste processo é extraído o clínquer, a matéria-prima e principal componente do cimento.

A criação da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), marco legal regulatório sancionado em 2010 (Lei Nº 12.305), acelerou a introdução da blendagem para coprocessamento de resíduos sólidos nas indústrias do Brasil. Dessa maneira, o que já era uma prática comum em outros países também emplacou por aqui como uma alternativa eficaz, rentável e ética do ponto de vista ambiental.

A Nova Ambiental – empresa que há quase duas décadas oferece diferentes soluções na área de gerenciamento de resíduos sólidos, para clientes de vários segmentos econômicos – desenvolveu uma excelência no tratamento de resíduos.

Em sua planta industrial, na cidade de Itapevi (SP), produz esse ‘blend’ para coprocessamento resultante de material residual de companhias siderúrgicas, metalúrgicas, petroquímicas, automotivas, químicas, de energia elétrica, fabricantes de papel e celulose, de alumínio, de pneus e outras.

A mistura de resíduos processados pode conter substâncias e materiais como borras oleosas e graxas, tortas de filtração, borras ácidas, catalisadores usados, pneus velhos e outros emborrachados, entre outros itens residuais.

OBS: Em conformidade com a resolução SIMA No. 145, de 22/12/21, o Lodo Industrial de Estações de Tratamento de Efluentes Industriais poderá ser adequado para destinação final através do processo de Incineração

A esta mistura de resíduos sólidos (blend), de alto poder calorífico, também são adicionados lotes de solos contaminados previamente tratados conforme normas sanitárias vigentes. Esse material é oriundo de outro tipo de serviço executado pela Nova Ambiental, que é o gerenciamento de áreas contaminadas.

Com sua expertise tecnológica, a Nova Ambiental desenvolve ações como remoção, transporte e tratamento de solos contaminados para um extenso rol de empresas clientes e parceiras. Esses solos são classificados em duas categorias, segundo a norma ABNT NBR 10.004 da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).

A Nova Ambiental faz o tratamento de solos contaminados com derivados de petróleo, metais e outros elementos de alto poder calorífico e dos solos com matérias orgânicas, vidros, papéis e metais.

Resíduos Não Permitidos Para Coprocessamento

Alguns tipos específicos de resíduos são vetados pela legislação ambiental, pois não são adequados para a destinação final por meio do coprocessamento. Nessa relação de substâncias/elementos proibidos como matéria-prima para o coprocessamento figuram os materiais explosivos, radioativos, o lixo urbano não classificado, resíduos hospitalares, fossas orgânicas, resíduos com altos teores de cloro ou metais pesados, pesticidas e ascaréis.   Para esta lista, disponibilizamos outros tipos de tratamento em nossa planta que serão tratados em outros tópicos.

OBS: Em conformidade com a resolução SIMA No. 145, de 22/12/21, o Lodo Industrial de Estações de Tratamento de Efluentes Industriais poderá ser adequado para destinação final através do processo de Incineração

Para identificar se o resíduo industrial de sua companhia pode ou não ser coprocessado, a Nova Ambiental mantém convênio com um laboratório autorizado pelo INMETRO (Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia) para a realização de laudos técnicos.

Vantagens do Coprocessamento

Desde sua instituição, a PNRS atribuiu responsabilidades em relação ao gerenciamento de todo tipo de resíduo sólido gerado no país, seja ele de origem doméstica, industrial, privada ou pública.

No caso particular das empresas, elas foram obrigadas a se adequar a novos padrões estabelecidos pela legislação e/ou buscar soluções que fossem, simultaneamente, rentáveis e ambientalmente corretas. E a combustão gerada pelos resíduos sólidos coprocessados foi uma dessas alternativas.

Entre as vantagens do coprocessamento estão a completa destruição  dos resíduos, a otimização do processo de armazenamento, a menor emissão de dióxido de carbono (CO2) na atmosfera e a redução do volume de descarga de resíduos em aterros sanitários (bem como a emissão do gás metano).

Além de todas essas virtudes, a tecnologia do coprocessamento ainda reforça a imagem positiva institucional de seus ‘players’ – desde o gerador do resíduo até a cimenteira.

Consulte a Nova Ambiental

“Imagens e recursos audiovisuais meramente ilustrativos. O tratamento, bem como seu local de realização, dependem de fatores técnicos e operacionais, variando de acordo com o escopo presente na proposta comercial.”

 

síntese
Coprocessamento: Transformando Resíduos em Energia
Nome do Artigo
Coprocessamento: Transformando Resíduos em Energia
Descrição
Coprocessamento é a transformação de material residual gerado por diferentes fontes industriais em um composto – o denominado ‘blend’ – que, posteriormente, vai abastecer os fornos das companhias cimenteiras.
Autor
Empresa
Sistema Nova Ambiental
Marca

Com extremo zêlo, profissionalismo, seriedade e competência, a Nova Ambiental conta com soluções sustentáveis.

Coprocessamento de Resíduos industriais é a etapa em que o resíduo é totalmente descaracterizado e misturado junto a outros resíduos com alto poder calorífero (blend)

Coprocessamento de Resíduos

Etapa em que o resíduo é totalmente descaracterizado e misturado junto a outros resíduos com alto poder calorífero (blend)

Resíduos de Serviços de Saúde (RSS). Realizamos a correta classificação dos resíduos de serviços de saúde RSS, possibilitando a correta manipulação.

Resíduos de Serviços de Saúde (RSS)

Realizamos a correta classificação dos resíduos de serviços de saúde RSS, possibilitando a correta manipulação.

Descaracterização de Resíduos. Realizamos a descaracterização de resíduos anulando os riscos de reutilização de qualquer produto e embalagens.

Descaracterização de Resíduos

Realizamos a descaracterização de resíduos anulando os riscos de reutilização de qualquer produto e embalagens.

Transporte de Resíduos Perigosos com veículos próprios assegurados, rastreados e operando dentro das normas legais ambientais e de trânsito para execução dos serviço de Tratamento de Resíduos

Transporte de Resíduos Perigosos

Veículos próprios assegurados, rastreados e operando dentro das normas legais ambientais e de trânsito para execução dos serviço de Tratamento de Resíduos

Logística Reversa Para Aerossol</a></h2> <p>Descaracterização de embalagens, manufatura reversa.  Infraestrutura moderna e tecnologia para o tratamento e destinação final de embalagens pós-consumo de aerossóis.

Logística Reversa Para Aerossol

Descaracterização de embalagens, manufatura reversa. Infraestrutura e tecnologia para tratamento e destinação final de embalagens pós-consumo de aerossóis.

Incineração de Resíduos. Possuímos um perfeito processo de tratamento de resíduos que envolve a combustão de substâncias orgânicas.

Incineração de Resíduos

Possuímos um perfeito processo de tratamento de resíduos que envolve a combustão de substâncias orgânicas.

Remediação Ambiental, Remoção de Solo Contaminado e Tratamento

Remediação Ambiental e Solo Contaminado

Remediação Para Áreas Contaminadas. Realizamos um minucioso diagnóstico da contaminação. Multitecnologia para no tratamento de solo contaminado.

Contamos com licença da CETESB para Armazenamento Temporário de Resíduos Perigosos e não perigosos

Armazenamento Temporário

Contamos 10.000m² licenciada pela CETESB para Armazenamento Temporário de Resíduos Perigosos e não perigosos

Manufatura Reversa de Eletrônicos Reutilização e o reprocessamento de equipamentos elétricos e eletrônicos descartados ou considerados obsoletos

Manufatura Reversa de Eletrônicos

Reutilização e o reprocessamento de equipamentos elétricos e eletrônicos descartados ou considerados obsoletos

Retorno Fiscal e Dedutibilidade Fiscal  de Produtos Inservíveis e serviços integrados de destinação final de produtos e/ou materiais inservíveis e assessoria fiscal, tributária e ambiental.

Retorno Fiscal de Produtos Inservíveis

Dedutibilidade Fiscal e serviços integrados de destinação final de produtos e/ou materiais inservíveis e assessoria fiscal, tributária e ambiental.

Despressurização de Aerossóis

Despressurização de Aerossóis. Nosso equipamento pode tratar latas de aerossóis e gás refrigerante. Neste processo os líquidos e os gases são totalmente capturados, os gases que possuem um alto poder de queima e são utilizados como fonte de energia para o nosso incinerador, já os líquidos são direcionados para os tratamentos disponíveis e adequados na Nova Ambiental.